A maldição (e a salvação) das senhas

Você está para finalizar uma tarefa urgente, tenta entrar em um serviço e lê a frase “wrong password”. Ou pior: você está na calçada indo para um compromisso em frente a uma bike do serviço Bike Sampa e esqueceu a senha. Como se lembrar das senhas nestes momentos?

Segundo relatório da LastPass (veja aqui o “The 2018 Global Password Security Report) a média de senhas de um executivo de negócios é de 191. O relatório aponta que 81% confirmaram que tiveram violação de dados devido a uso indevido das senhas.

O lado negativo: é um saco ter várias senhas e não saber onde e como armazená-las … com segurança. O lado positivo: as senhas são uma das principais armas contra hackers e o cyber crime, que só cresce.

191 senhas podem parecer um número exagerado. Se somarmos alguns serviços que utilizamos diariamente é razoável supor que uma pessoa tem no Brasil mais de 30 senhas. Aqui alguns exemplos: as maiores redes sociais (Facebook, Instagram, Linkedin, Twitter e a brasileira Candowell), telefones (Android ou IPhone), as plataformas de vídeo streaming (Globo Play, Telecine Play, Premiere, Netflix), contas de email (Outlook, Gmail, Yahoo, ICloud), sites de notícias (UOL, Globo.com), bancos (crédito e débito), plataformas de música (ITunes, Spotfy, Deezer), compras (Amazon.com, Americanas.com, Ponto Frio, Mercado Livre etc.), serviços (Ifood, Rappi), turismo (Airbnb), transporte (Uber, 99 Táxis, Easy), navegação (Waze), bicicleta (Bike Sampa, Yellow) …

Se é difícil guardar imagina formular uma senha. Algumas plataformas têm tutoriais resumidos desenvolvidos para nos ajudar. Informam-nos se a senha que queremos utilizar é fraca, média ou forte, sugerem números, letras maiúsculas ou sentenças. Somos informados visualmente dos erros e dos acertos: vermelho, para senhas fracas e verde, para senhas fortes.

O mundo ficou complexo. Antigamente, era necessário ter apenas uma senha para aqueles que mantinham cofres em casa, para guardar jóias, dólares e outros pertences. Com a digitalização e os cartões de crédito e débito o nível de sofisticação aumentou. Agora com as inúmeras plataformas e apps é praticamente impossível memorizar um conjunto de senhas para os diversos cartões de crédito, cartões de débito, gmail, Itunes, redes sociais, Apple Store, Icloud, Google …

Veja, aqui, algumas considerações e dicas sobre senhas:

– O público mais velho é o mais suscetível a golpes;

– Nunca utilize a mesma senha para todos os cartões, plataformas e apps;

– Altere as senhas periodicamente;

– Alguns especialistas recomendam o uso de gerenciadores de senhas como RoboForm e LastPass. O problema é que as dicas estão em inglês.

– O Google lançou recentemente o Password Checkout, uma extensão do Chrome, que compara e checa quatro bilhões de credenciais que foram quebradas na Internet.

– As melhores práticas, adotadas pelo sistema financeiro, o “two-factor authentication” (uso da senha combinada com o recebimento de códigos via SMS ou email) tem aumentado a segurança de várias plataformas.

– É importante ter senhas fortes que devem ser lembradas. Dica da Security News: frases como “euconheciojornal140emjaneirode19” e abreviá-la para “EucojJ140emJa19”, tendo o cuidado de colocar maísculas na primeira letra e sempre nos símbolos e anos.

– Quando for usar a mesma senha, combine-as com as plataformas. Exemplo: a mesma senha acima pode começar assim no caso do Facebook: “Fb eucojJ140emJa19”.

Mais dicas? Se souber inglês vá até o site Connect Safely e boas senhas para você!

 

Deixe uma resposta