Siga-nos nas Redes Sociais

Finanças 3 MIN DE LEITURA

Fundos Imobiliários e Tecnologia: entrevista com Francke Peixoto, do Fala FII

Tatiana Perez

Publicado

em

O perfil do brasileiro finalmente começa a mudar um pouco com relação a finanças e a B3 atingiu um número histórico, com mais de 1 milhão de CPFs cadastrados em sua base no mês de abril de 2019. Muito disso se deve a ampla disseminação de conhecimento feita através das redes sociais. Conversamos com Francke Peixoto, criador da página no Facebook Fala FII e do bot FIIzinho, um web crawler que traz informações e fatos relevantes sobre Fundos Imobiliários.

Francke, você e alguns amigos possuem um grupo no Telegram com inscritos que trocam informações sobre Fundos Imobiliários. Quando o grupo foi criado e qual é o perfil dos integrantes?

O grupo foi criado em Junho de 2018. Acredito que hoje, o Grupo Fala FII é o maior grupo de Fundos Imobiliários no Telegram com 3.2k (3.252) pessoas com uma média diária de 765 pessoas online. O público é composto por professores da área, investidores diversos e também por quem está começando.

Quando você começou a investir em fundos imobiliários?

Fiz meu primeiro aporte em janeiro de 2016, após estudar por 1 ano o segmento de FIIs. Nessa época criei a página do facebook Fala FII. O nome é uma espécie de metáfora para forçar os FIIs falarem mais facilmente ao mundo. A criação da página no Facebook chamou atenção de alguns gurus do segmento, como Arthur do InfoMoney e o Tetzner, especialista em FIIs. O boom do Fala FII aconteceu em outubro de 2017, quando foi citado no programa do InfoMoney em outubro de 2017.

Como você avalia atualmente o perfil do brasileiro com relação a educação financeira?

Muito imaturo, ainda falta ler bastante Pai Rico Pai Pobre.

Você desenvolveu um robô que reune em um só lugar informações sobre fundos imobiliários e automatiza a busca de informações e fatos relevantes. Fale um pouco mais sobre ele.

Quando comecei a investir em FIIs, eu usava alguns robôs para me enviar notícias sobre os mercado de fundo imobiliário. Naquela época, (meados de 2015) eu estava com um catálogo enorme de conteúdo sobre FIIs, e tinha notado que esse tipo de investimento não era muito divulgado. Outra coisa muito singular que notei, foi a demora na propagação de informação de um gestor ao investidor final.

Após isso fiz uma pesquisa com os usuários para entender como eles buscam informação para investir em FIIs. O resultado desta pesquisa, criei um App chamado PLANTÃO FII, a primeira versão do robô. A versão atual do robô só existe por conta do Marcelo, que me perturbou para criar o grupo no Telegram.

Quando descobri que o Telegram disponibilizava recursos para criar um bot, meu horizonte se abriu, além do grupo eu poderia criar uma ferramenta que ajudaria tanto nas análises, quanto no acompanhamento de notícias do mercado de FIIs e de quebra uma sala de bate papo para troca de experiência… assim iniciou o que temos hoje. Atualmente o robô está na versão 2 e com mais recursos, o intuito atual é facilitar o acesso a informação publicados pelos gestores de fundos em tempo real, sem ter que esperar ser publicado por casas de análise.

Com o bot FIIzinho, o usuário tem acesso as notícias informadas pelo gestor de forma fácil e rápida, no momento em que o gestor o divulga. Sites como o FIIs.com.br, só divulgam essas informações no final do dia, assim como valores de proventos, fatos relevantes e etc..

Pensando em aplicabilidade de tecnologia da informação com uso para o mercado financeiro, o que você acha que vem por aí em tendências?

Acredito que é algo promissor que para os FIIs. Ainda não tem muita exploração, mas quando o mercado crescer, isso vai mudar.

Qual a melhor forma de avaliar um fundo imobiliário e começar a investir?

Na minha opinião, a primeira leitura para qualquer pessoa que está iniciando em FIIs, seria ler o iniciar lendo o Guia de Fundos de Investimento Imobiliários.

Após esse material, assistir as palestras da CVM, explicando como esse segmento flui, assim com são seus riscos e suas instruções normativas. Após isso, ele poderia procurar os ativos com mais liquidez e ler seus relatórios gerenciais, balanços e etc… após um tempo estudando, fazer simulações com o ativo. Hoje o FIIs.com.br tem uma área onde os FIIs são divididos por tipo. É bem provavel que o iniciante procure os FIIs com um tipo ‘tangivel’ (tijolo). Esse site tem uma lista bem legal com tudo que vc precisa para estudar.

Para saber mais: Telegram: https://t.me/falafiigrupo – Facebook: https://www.facebook.com/falaFII/ – Instagram: https://www.instagram.com/fala.fii/ – Twitter: https://twitter.com/fala_fii – Robô: https://t.me/FIIzinho_bot – Seja um padrinho / madrinha do robô: https://www.padrim.com.br/falafii

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.

Tatiana Perez é Tecnóloga em TI e graduada em administração de empresas pela Coventry University, Inglaterra. Apaixonada por inovação, tecnologia e aviação, passou a traduzir artigos acadêmicos e outros materiais da área. Possui vivência internacional de 11 anos entre Emirados Árabes e Indonésia, maior pólo de startups do mundo.

Continuar Lendo

Escreva um Comentário

Finanças 2 MIN DE LEITURA

Comprar ações ou apostar na Mega-Sena?

Quem aposta frequentemente faz por diferentes motivos: ambição, diversão, emoção. Que tal direcionar o hábito para a compra de ativos financeiros?

Tatiana Perez

Publicado

em

Foto: Dylan Nolte / Unsplash

Apesar de meu avô ter ganho há muitos anos atrás um prêmio fracionado da loteria federal, eu não havia me atentado a jogos até me juntar pela primeira vez com o pessoal do trabalho em um bolão da Mega-Sena da Virada, dezembro passado.

Fiquei pensando na racionalidade da coisa. Sabendo que a aposta mínima para 6 números da Mega-Sena custa R$ 4,50, que os jogos correm duas vezes por semana, e ainda que o ano tem 52 semanas, logo, uma pessoa que joga frequentemente gasta cerca de R$ 468 ao ano em apostas neste jogo.

A probabilidade de ganho para a sena é 1 em 50.063.860 ou 0,00000002%. Podemos também comparar a probabilidade de ganhar na mega sena a outros eventos, como a chance de receber na primeira mão um Royal Flush no poker (todas as 5 cartas seguidas do mesmo naipe na sequência de Ás, Rei, Dama, Valete e Dez) que é de 1 em 649.740. Quantos casais você conhece que tiveram filhos quadrigêmeos? A probabilidade é de 1 caso a cada 700.000 gestações de acordo com a literatura médica.

Como a grande maioria dos jogadores não ganha prêmio na Mega-Sena, o valor da aposta não apresenta retorno algum para o jogador. Ok – parte do valor arrecadado com as apostas é repassada ao governo federal, que pode realizar investimentos nas áreas de saúde, segurança, cultura e esporte, porém como o objetivo da pessoa que faz uma fezinha é melhorar de vida, vou comparar o uso do dinheiro com a compra de ações e a valorização das mesmas.

Vamos imaginar que eu tenha juntado os mesmos R$ 468 no final de 2018 e comprado ações do Fleury, uma das maiores e mais tradicionais empresas de medicina diagnóstica do País. As ações de ticker FLRY3* negociadas no dia 19/12/2018, custariam R$ 18,90 cada unidade na abertura do mercado. A mesma ação no dia 19/12/2019 estava valendo R$ 29,75 e meu dinheiro teria se valorizado 57,41%. O Fleury é uma Small Cap, categoria de empresas com valor de mercado entre 300 milhões e 2 bilhões de reais e com menor volume de negociações em bolsa, consequentemente menor liquidez. Atualmente Fleury faz parte do Índice Small Cap do Ibovespa.

Talvez seu apetite seja para empresas ainda mais sólidas ou deseje diversificar (recomendado não colocar todos os ovos em uma só cesta). As ações da Itaúsa negociadas pelo ticker ITSA4*,  de Setembro a Dezembro de 2019 compuseram 3,15% do Índice Bovespa, e caso fossem adquiridas no mesmo dia 19/12/2018, estavam cotadas a R$ 10,96 e em 19/12/2019 atingiram o valor de R$ 13,98 representando uma alta de 27,55%.

Ainda poderíamos acrescentar à valorização dos dois papéis o pagamento de juros sobre capital próprio e outros proventos que são pagos esporadicamente.

A compra nos casos acima, precisaria ser no mercado fracionário, onde as ações são adquiridas de maneira unitária e não em lote. Como podemos ver, investir não é algo somente possível com grandes valores disponíveis, apenas requer adequação de orçamento e um pouco de pesquisa no ativo a ser escolhido. A escolha das empresas para o exemplo não representa recomendação de compra, pois apenas profissionais devidamente certificados estão autorizados a fazê-lo. É recomendado ao investidor que adote uma estratégia de compra e diversificação dentre as muitas existentes. Uma estratégia muito utilizada é a escolha de empresas que apresentam bons resultados por meio de indicadores fundamentalistas e um bom site para consulta de informações financeiras das empresas listadas na bolsa de valores é o FUNDAMENTUS.

*Nota: Não foram encontrados registros históricos de ações fracionadas. Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Finanças 1 MIN DE LEITURA

Comprar Dólar, Euro ou Bitcoin? Veja o que é mais pesquisado no Brasil

SEMrush divulga estudo para entender o comportamento dos brasileiros em relação a cotações de moedas em buscadores como Google e Bing

Publicado

em

André François McKenzie / Unsplash

Até para comprar ou avaliar os investimentos em moeda estrangeira, ou no bitcoin, um das primeiras ações que os brasileiros fazem é consultar os buscadores. Estudo divulgado pela SEMrush, da qual o Jornal 140 teve acesso, procurou entender o comportamento dos brasileiros em relação a cotações de moedas em buscadores como Google e Bing entre janeiro e outubro deste ano.

Segundo o estudo, as buscas pela cotação do dólar representaram o maior interesse dos brasileiros, com 10,5 milhões de pesquisas. Em seguida, com 3,4 milhões de buscas, apareceu a cotação do euro e o bitcoin, com 1,2 milhão de buscas.

Houve um aumento repentino pela palavra bitcoin em maio de 2019: saltou para 110 mil pesquisas mensais, um crescimento de 82% em relação ao mês anterior, que contava com 60,5 mil buscas. Segundo os autores do estudo, um dos motivos foi a valorização da moeda no período, que teve o maior pico dentro do último ano.

Reproduzimos a declaração de Daniel Coquieri, COO da Bitcoin Trade: “O Bitcoin começou o ano com uma cotação na casa dos 3.500 dólares. Em abril, tivemos uma grande valorização, acumulando cerca de 25% em 30 dias. Isso foi noticiado pela mídia especializada no assunto. Já em maio, o movimento se intensificou e a moeda valorizou mais de 60%. Nesse momento, a notícia alcançou outros veículos e a moeda voltou novamente para ‘a boca do povo’. Apesar das correções dos últimos meses, o Bitcoin ainda está com uma valorização acumulada de 100% em relação ao preço de janeiro. Isso comprova o crescente interesse pela moeda no Brasil e no mundo”, aponta o especialista.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Trending

  • Registrar
ou entre com
Lost your password? Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.