A estratégia Sergio Moro, o efeito Tiririca e o macete do Tinder

Neurociência e crítica: como as estratégias políticas podem te ajudar a encontrar um(a) namorado(a)?

Dia 13 de junho foi dia de Santo Antônio, o nosso popular santo casamenteiro! E como manda a regra, milhares de solteiros pulverizaram memes e simpatias em prol da chegada, tão sonhada, de suas almas-gêmeas.

Uma superstição fofa, mas pouco estratégica quando comparada à equação matemática ensinada por Hannah Fry, professora da Universidade College London, no seu livro The Mathematics of Love (A Matemática do amor – ainda sem tradução para o português), que ensina como conquistar um relacionamento em Apps como Tinder, sem precisar colocar o santo de ponta cabeça.

Em parceria com o site norte-americano OkCupid, Hannah analisou profundamente todos os dados e comportamentos dos usuários do Tinder, ao longo destes anos, nos Estados Unidos, a fim de compreender qual seria a  fórmula do “match perfeito”.

Em sua análise Hannah constatou que dentre os 30 milhões de usuários do aplicativo, apenas 5 mil poderiam ser considerados como ‘perfis  campeões’ e (pasmem agora), que esta “nata tinderiana” não é composta pelos bonitões fitness, com belas poses em praias paradisíacas, e sim por candidatos que possuem 50% de rejeição (ou seja, que são arrastados para a esquerda por 50% dos eleitores).

Segundo os dados apresentados pela  OkCupid, os perfis com maior audiência são responsáveis por 70% do sucesso (encontros, namoros e casamentos) dos perfil mais “normaizinhos” (tipo o meu).

Fiquei intrigada ao ler isso, claro, e decidi usar meu pensamento lento-analítico (leia sobre, neste meu outro artigo) para compreender a lógica, e me surpreendi – acompanhe a minha linha de raciocínio:

  1. Fato: os bonitões recebem a maioria dos likes, mantendo-se no “hall dos populares” do App;
  2. Questionamento: como os bonitões do Tinder conseguiriam analisar 100% do potencial de cada like recebido, para decidir com qual conversar? Isso demoraria horas (ou dias, no caso do Sr. Morningstar ♥). Não seria possível;
  3. Compreensão: logo, os fatores ‘ordem de chegada’ e ‘abordagem inicial’ são tão importantes quanto a escolha das fotos;
  4. Questionamento final: o que acontece com os demais interessados que passaram desapercebidos pelos bonitões? Resposta: Darão likes em perfis dos ‘não tão exuberantes’, mas que terão tempo para desenvolver uma conversa (e minimamente avaliar os perfis apresentados), dada a sua menor expressividade no quesito ‘Ibope’.
  5. Conclusão: a probabilidade de um encontro para um perfil mediano é maior que a de um popular. Voilà!

Ou seja, pela teoria apresentada acima, não devemos nos intimidar pela popularidade da concorrência e sim agradecê-los!

SUPERLIKE: O efeito Tiririca na política brasileira

Cargos políticos como os de senador, deputado estadual e deputado federal nem sempre são conquistados pela métrica ‘votos recebidos’. O sistema proporcional de lista aberta, outorgado pela nossa constituição, defende que se um candidato recebe um número maior que o quociente necessário para sua eleição, os votos restantes podem ser repassados a outros candidatos do seu partido ou de partidos coligados.

O quociente eleitoral é calculado com base na quantidade de votos válidos, divididos pelo número de cadeiras no senado, por exemplo. Logo, se houverem 10.000 votos válidos e 10 posições à serem preenchidas, um partido só consegue eleger seu candidato se este quociente individual for alcançado (1.000 votos, neste exemplo); E quando ultrapassado, os votos excedentes podem ser repassados à outros candidatos que, por conta, não conquistaram os postos sozinhos.

No ano de 2010, o humorista cearense Tiririca (PR – Partido Republicano) conquistou a sua primeira vaga na Câmara, como Deputado Estadual de São Paulo, com o marco de 1,3 milhões de votos recebidos. Neste ano o quociente eleitoral foi de um pouco mais de 304 mil votos. O que nos mostra que, além da sua cadeira, o humorista também conquistou o direito a outras três posições que foram ocupadas, por Vanderlei Siraque (PT) e Delegado Protógenes (PC do B). Sabe aquela tese do “bonitão do Tinder”, pois é, também funciona bem no Congresso mas, neste caso, sem o frio na barriga de um match legal.

Por isso é necessário conhecer a fundo a coligação a qual o seu candidato pertence, pois sem perceber você pode estar votando no Tiririca, contudo, elegendo a Florentina (que nem sempre é um “partidão”).

Sergio Moro e Lula: o match do milênio

Avaliar opções não é uma tarefa difícil apenas para os librianos (rs), todo ser humano proprietário de um cérebro passa por este dilema.

Segundo o neurocientista francês Jean-Philippe Lachaux, autor de diversos livros sobre o tema e diretor do Laboratório de Pesquisas Cognitivas do Inserm (Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica) em Lyon, o nosso cérebro limita os nossos esforços de comparação tendenciando à desatenção, quando exposto a centenas de opções de matches, por exemplo.

A mesma dificuldade é percebida quando tentamos fazer várias coisas ao mesmo tempo, o que o cientista também defende não ser possível com 100% de atividade cerebral.

A equipe de Lachaux estuda os mecanismos cerebrais que são responsáveis pela nossa atenção, mais especificamente os neurônios envolvidos no processo, incluindo os aspectos químicos e fisiológicos das sinapses.

Os estudos realizados provam que só é possível fazer duas coisas ao mesmo tempo se uma delas for feita de maneira automática pelo nosso cérebro (ou seja, sem 100% do uso da CPU) – como correr em uma esteira ouvindo música.

Porém, ler emails durante uma reunião ou conversar com várias pessoas ao mesmo tempo no Tinder (ações que requerem a alternação de foco e o uso intensivo de nossa máquina pensante), por exemplo, não são possíveis com total atenção, pois contrariam a natureza cerebral e “fragmentam a vida cognitiva”– afirma Jean-Philippe Lachaux.

Para realizar várias tarefas de forma simultânea, que exigem atenção e concentração, o cérebro teria que  ser capaz de utilizar a mesma rede neuronal nas ações, o que é fisiologicamente impossível. Esse é o caso de atividades gerenciadas pelo córtex pré-frontal, como a compreensão de um texto.

Você pode chegar a esta mesma conclusão caso já tenha sido interrompido durante a sua leitura, por uma pergunta de alguém que estava por perto. Das opções de reações você pode ter: 1- Ignorado; 2- Proferido uma resposta automática rápida monossilábica (tipo ‘não’) ou 3- Precisou parar o seu raciocino (…) responder (…) e então reiniciar o seu foco para continuar a ler. É elementar, meu caro Watson!

Se nos dedicarmos a compreender a individualidade da nossa capacidade cerebral de foco, entenderemos como a aceitação do ex-juiz Sergio Moro ao cargo de ministro da Justiça pode jogar muito mais a favor de Lula, do que dele mesmo. Explico:

A atuação de Sergio Moro na operação Lava-Jato foi condecorada com o convite do atual presidente, Jair Bolsonaro, para assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública, propondo assim um acréscimo de focos à sua atuação – uma vez que nem todos os problemas judiciais do país se resumem aos escândalos “petrobrasilianos”.

Posta a atual situação política do nosso país, fico aqui imaginando como deve ter sido difícil receber as notícias sobre os vazamentos, via The Intercept, durante o momento em que Moro estudava outra pasta judicial – com certeza ele não deu uma resposta monossilábica do tipo “esquerda” e continuou seus afazeres -, não é mesmo?

Neurológicamente, deve estar bem complicado manter o foco em outras ações, principalmente se considerarmos que, ao final do seu mandato, o atual ministro deverá apresentar diversos resultados obtidos, e não apenas um único.

Até o presente momento Sergio Moro está mais para “o bonitão do Tinder”: que com sua popularidade angariou votos para um partido, e que agora não consegue dar total atenção ao seu propósito como um todo (pois ainda está preso às mesmas questões de quando era juiz. Baita dilema).

Desta maneira, a popularidade de Moro e seu limite humano cerebral favorecem o seu antigo réu, o ex-presidente Lula – cuja atividade cerebral está focada exclusivamente em promover a sua defesa, sem ter que se preocupar com outros afazeres –, o que explica a queda de popularidade do ministro, apontada na pesquisa feita pelo instituto Atlas Político, nos últimos dias 11 e 12, após a Vaza Jato…

E talvez também o fato de Lula estar namorando, afinal ele faz parte daqueles 50% de rejeição (que são arrastados para a esquerda por 50% dos eleitores).

Ilustração: Gabriela Yaroslavsky / 140 Design

Deixe uma resposta