Siga-nos nas Redes Sociais

Ufologia

Eles estão entre nós?

Paulo Gustavo Pereira

Publicado

em

Quando a Rede Manchete chegou nos anos 80, um dos destaques de sua programação era Projeto Ufo (Project UFO, 1978), série baseado no lendário Projeto Livro Azul criado pela Força Aérea norte-americana para investigar casos de aparições de Objetos Voadora Não-identificados. Acada episódio, seguia-se um caso relatado e durante a investigação, os dois agentes do Projeto Livro Azul acabavam elucidando o caso.

Várias décadas se passaram e nenhum caso de avistamento de naves espaciais de outros planetas foram relatados pela imprensa mundial. Por isso, nada melhor do que voltar a discutir a existência ou não de alienígenas em nosso Planeta com a nova versão de Projeto Livro Azul, que mergulha novamente nos casos relatados ao longo das década de 50 e 60 sobre aparições de objetos voadores não-identificados.

A nova série que estreia neste sábado no History, foi produzida por Robert Zemeckis, responsável por sucessos do cinema como Forres Gump – O Contador de Histórias e a divertida trilogia De Volta para o Futuro. Essa nova série, bateu recordes de audiência nos Estados Unidos fora da programação das grandes redes de TV, um verdadeiro fenômeno.

Estrelada pelo irlandês Aidan GIllen, que foi Mindinho de Game of Thrones, e por Michael Malarkey (The Vampire Diaries), a série tem dez episódiosem sua primeira temporada e é baseada no Projeto Livro Azul e os relatos pessoais do Dr. J. Allen Hynek (Aidan), um brilhante professor universitário recrutado pela Força Aérea dos Estados Unidos para liderar essa operação secreta que investigou mais de 12 mil casos de 1952 a 1969, dos quais 701 ainda estão sem solução.

“Desde o começo estive fascinado com a ideia de fazer parte de Projeto Livro Azul, porque é baseada em investigações, informações e histórias reais, e em pessoas que existiram de verdade. O fato de a equipe de Zemeckis estar envolvida em sua realização também deu força para a confiança que eu tinha nesse projeto, e certamente este era o tipo de personagem que eu buscava interpretar, diferente de alguém frio e cínico, uma pessoa de família, amorosa e positiva”, conta Gillen.

E acrescenta: “Além disso, eu estava familiarizado com o tema sobre óvnis, que é apaixonante. O atrativo tem a ver com o mistério do desconhecido, com não saber o que são aquelas luzes no céu, se são naves espaciais ou cometas; mas acredito que em uma galáxia tão grande como a nossa, em um universo potencialmente infinito, é quase ridículo supor que sejamos as únicas formas de vida”.

Cada episódio é baseado em arquivos de casos reais, combinando teorias sobre óvnis com eventos históricos autênticos, que aconteceram em uma das épocas mais misteriosos da história dos Estados Unidos. Ao longo da temporada, de forma realista, serão explorados eventos documentados, como o incidente do monstro de Flatwoods, que aconteceu em West Virginia, e as luzes de Lubbock, no Texas, entre outros. Desta forma, a série se aprofunda em temas como a confiança, o instinto, as noticias reais frente às informações falsas e o acobertamento do governo, estendendo-se entre o mundo da ciência e a exploração do desconhecido.

“Poucas vezes estive envolvido em um projeto que tivesse uma fusão perfeita de acontecimentos históricos com entretenimento extraordinário”, disse Zemeckis. “Estamos agradecidos pelo respaldo do A+E Studios e do HISTORY, em fazer desta uma série fabulosa”, concluiu.

A série também traz no elenco Neal McDonough (Arrow) como o general James Harding, confiante e responsável por dirigir a nova divisão da Força Aérea – Projeto Livro Azul; Michael Harney (Orange is the New Black) como o general Hugh Valentine, crítico e poderoso, que supervisiona e vigia de perto a nova divisão do general Harding; Laura Mennel (O Homem do Castelo Alto) como Mimi Hynek, a leal esposa do Dr. J. Allen Hynek; e Ksenia Solo (Lost Girl) como Susie Miller, uma mulher elegante e atraente, cujo encanto secreto vai além do que pode ser visto.

Na estreia, dia 10, sábado, 22h30, o HISTORY exibe episódio duplo especial:

No primeiro episódio, A batalha de Fuller, o astrofísico de Ohio Allen Hynek é recrutado pela Força Aérea para participar de um programa secreto que investiga óvnis, chamado Projeto Livro Azul. Junto ao Capitão Michael Quinn, ele investigará o caso de um piloto militar que sobreviveu a um combate aéreo contra uma nave alienígena.

Em seguida, às 23h20, em O monstro de Flatwoods, o Dr. Hynek e o Capitão Quinn viajam a West Virginia para investigar o caso de uma mulher e seus dois filhos, que presenciaram um disco voador cair perto de seu sítio e viram quando saiu um extraterrestre de seus destroços. O que eles dirão quando forem entrevistados?

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.

Paulo Gustavo Pereira é formado em Jornalismo e começou sua carreira na Radio e TV Tupi, passou pela Globo, Bandeirantes, Record, Manchete e Cultura, como assistente da redação, repórter, editor e chefe de reportagem. No SBT, dirigiu as transmissões da festa do Oscar a partir de 1994. Repetiu a dose na TNT, direto dos estúdios da emissora em Atlanta/EUA, em 2007. Foi colaborador no Jornal da Tarde, Folha de S.Paulo, Estadão, Jornal do Brasil e diretor de redação da revista Sci-Fi News por 11 anos. Escreveu os livros livro Almanaque dos Seriados, pela Ediouro, e Almanaque dos Desenhos Animados, pela Matrix. Hoje escreve e apresenta o programa Talk TV, do canal Like, além de fazer ao vivo toda a semana, o Balanço das Séries, no Facebook e Youtube.

Continuar Lendo
Comentários

Ufologia

Área 51: você está pronto para a invasão Naruto?

Rafael Sartori

Publicado

em

No fechamento da redação deste sábado, conferimos que mais de 1,8 milhão de pessoas confirmaram presença, por meio do Facebook, para invadir a Área 51, uma base aérea americana localizada no estado de Nevada, EUA. O objetivo da invasão é desvendar o maior caso ufológico de toda a história: a existência de destroços de discos voadores, provas de vida extraterrestre e no auge da teoria, alienígenas trabalhando em parceria com humanos no subterrâneo da base.

Para quem não se recorda, a Área 51 é o local que supostamente abrigou os destroços da queda de um disco voador, ocorrido no dia 8 de julho de 1947, em Roswell, Novo México. Além dos destroços, a ufologia defende que corpos extraterrestres foram recuperados e até mesmo que um deles estava vivo.

A Área 51 e o Caso Roswell são famosos no mundo inteiro, tema de centenas de livros, documentários e programas de TV. Mais do que isso, são verdadeiros ícones da cultura pop, representados como uma espécie de centro alienígena na Terra.

O evento chamado Storm Area 51, They can’t stop us está marcado para 20 de setembro, às 3 horas da manhã. Além dos 1,8 milhão de pessoas confirmadas, outras 1,3 milhão demonstraram interesse e os números não param de crescer. O evento virou uma febre entre os norte-americanos e rapidamente se transformou em um assunto mundial.

Embora os organizadores do evento tenham emitido um comunicado que a ”invasão” se trata de uma brincadeira, a porta-voz da Força Aérea afirmou ao Washington Post que as autoridades do governo estão cientes do evento e preparados para reagir a uma potencial invasão:

”Nós desencorajamos qualquer um de tentar entrar na área onde treinamos as forças armadas americanas. A Força Aérea dos EUA sempre está pronta para proteger os EUA e seus ativos”, Laura MacAndrews

Para contornar a situação de conflito, os organizadores do evento sugerem aos participantes que corram em direção a base como Naruto (personagem de uma animação japonesa que corre com os braços para trás).

“Se entrarmos correndo como Naruto, poderemos nos mexer mais rápido que as balas. Eles não podem parar todos nós”, escreveram os organizadores.

Ficou interessado? O ponto de encontro é no 51 Alien Center, a poucos metros da base militar. Este colunista que vos escreve aguarda ansiosamente para noticiar ou não, todos os mistérios desvendados por estes criativos aventureiros. Se você quiser conhecer o evento no Facebook, clique aqui. Para visitar o website oficial, clique aqui.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Trending