Siga-nos nas Redes Sociais

Esportes

O futebol é realmente para todos?

Jéssica Patrine

Publicado

em

Futebol faz parte da cultura brasileira. E assim como toda manifestação cultural, reflete o comportamento da sociedade sobre alguns temas. Nesse combo, os preconceitos também estão incluídos. O brasileiro, em geral, é LGBTfóbico. Aqui é um dos países mais perigosos para qualquer pessoa dessa sigla viver. E, infelizmente, o estádio não é um lugar acolhedor para essas pessoas. Quem nunca ouviu aquele grito horroroso de ”bicha” na cobrança de escanteio? Fora os ataques direcionados aos jogadores adversários com palavras pejorativas bem mais pesadas.

Xô preconceito

Por isso, clubes brasileiros, como Santos, Flamengo e São Paulo, dentre outros, iniciaram a campanha contra os gritos homofóbicos dentro dos estádios. As torcidas que proferirem cânticos preconceituosos poderão prejudicar os clubes com perda de ponto no torneio disputado. Recentemente, no jogo Vasco x São Paulo, pelo Campeonato Brasileiro, o árbitro Anderson Daronco interrompeu a partida por causa dos xingamentos contra a torcida tricolor paulista. O técnico vascaíno, Vanderlei Luxemburgo, junto com parte do time, pediu para a torcida parar de entoar os gritos preconceituosos. Essa ação já foi um passo gigantesco ao combate à homofobia no futebol brasileiro, principalmente no masculino. Ironicamente, no futebol feminino, as jogadoras não têm receio de afirmar a orientação sexual. Tampouco escondem os namoros. Temos os exemplos das maravilhosas Marta e Cristiane, que assumem abertamente as namoradas.

Em um mundo ideal e utópico, ninguém precisaria se sentir envergonhado por causa da orientação sexual ou da identidade de gênero. Todos poderiam assistir os jogos sem ter medo de ouvir coisas desagradáveis, apanhar ou sofrer outro tipo de violência. O futebol realmente seria para todos e todas. Todavia, ainda não é assim. Acredito que estamos caminhando, mesmo que em um ritmo bem devagar, para a mudança de mentalidade sobre o respeito e a aceitação de atletas e torcedores assumidamente LGBT+. Também aguardo ansiosamente o dia em que os campeonatos de pontos corridos deixarão de existir, mas aí é assunto para outro texto.

Foto: Andy Hall/Unsplash

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.

Jéssica Patrine é jornalista, nerd, leitora compulsiva e chocólatra. Não para de ouvir música, por isso escreve para o Ré Menor sobre o tema. Gosta de tudo um pouco, mesmo parecendo que não curta nada.

Continuar Lendo
Comentários

Futebol

A Estrela de Davi do Corinthians

Time corintiano faz um golaço ao utilizar a sua plataforma como divulgação de um dos episódios mais tristes da história da civilização moderna, conhecido como a Noite dos Cristais

Ricardo Braga

Publicado

em

Foto de Joe Pregadio (Unsplash).

Ainda que apenas por um dia, hoje, dia 6, a camiseta do Corinthians terá uma imagem especial , a estrela de Davi. Os torcedores poderão percebê-la durante o jogo contra o Fortaleza pelo Campeonato Brasileiro. A ação combinada entre o time, o Museu do Holocausto e a agência Tech and Soul, tem por objetivo lembrar a Noite dos Cristais.

Aqui no Jornal 140 temos observado que os posts que mais polarizam, chamam a atenção e movimentam os ponteiros dos likes e views são provenientes da área política, futebol e celebridades, ou seja, fofoca. Chama a atenção que o Corinthians tenha utilizado a sua imensa plataforma para chamar a atenção dos brasileiros para este assunto, para lembrar a história.

Põe brasileiro nisso. O Corinthians tem a segunda maior torcida de futebol do país, segundo pesquisa do DataFolha de setembro deste ano – 14% dos torcedores brasileiros (o primeiro é o Flamengo, com 20%, e logo em seguida aparecem o São Paulo, com 8%, Palmeiras, com 6%, seguidos de Vasco, Cruzeiro e Grêmio, com 4%).

A religião e o esporte são universos repletos de simbologia. O símbolo traz significados que nos convidam a reflexões sobre o que fazemos individualmente e o nosso papel e responsabilidade na sociedade. E, mais do que isso, são elementos de conexão e transcendência porque um objeto, o símbolo, nos obriga a refletir sobre o mundo exterior e entender a dualidade entre o interno (a consciência sensível) e o externo (a experiência do mundo).

No dia 9 de novembro de 2019, milícias paramilitares alemãs conhecidas como SA (Sturmabteilung, “destacamento tempestade”) em conjunto com adolescentes da juventude hitlerista, atacaram estabelecimentos comerciais, sinagogas e residências de judeus tendo como pretexto o assassinato do diplomata alemão Ernst vom Rath por Herschel Grynspam. É considerada o início do Holocausto porque recebeu a aprovação tácita e imediata dos governantes da Alemanha, liderado por Adolf Hitler.

Foi uma noite de barbárie e caos na até então civilizada Europa. A selvageria começou em Berlim e se estendeu por toda a Alemanha, Áustria e Checoslováquia tendo um total macabro de 91 judeus mortos, 267 sinagogas destruídas, 7.000 lojas e 29 edifícios depredados e detenção de 30 mil judeus em campos de concentração. A Noite dos Cristais (Kristallnacht, em alemão) recebeu também vários outros nomes como “Noite dos Vidros Quebrados” ou “Pogroms de Novembro” (pogrom é uma palavra ídiche que significa perseguição religiosa aprovado pelo estado), por causa dos cacos de vidros que se espalharam pelas cidades.

Foi a partir desta noite fatídica que os judeus de toda a Alemanha foram obrigados a estampar em suas roupas, casas e lojas, a estrela de Davi, como se fossem leprosos ou seres a serem evitados. A antítese da diversidade, a ojeriza ao estranho, ao estrangeiro e ao diferente.

Eu, como são-paulino e profissional de comunicação e marketing, elogio a postura e utilização da plataforma corintiana, golaço do diretor responsável pela brilhante ideia. Genial.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Futebol

Desrespeito clássico

Quem nunca provocou o amigo após um clássico? Ou foi o provocado, dependendo da fase. Espírito competitivo é saudável caso promova respeito e união.

Jéssica Patrine

Publicado

em

Foto: Itamar Aguiar/ALLSPORTS (FotosPúblicas).

Em qualquer esporte tem competitividade: saber ganhar, perder ou empatar. A rivalidade é inerente em esportes que despertam paixões e possuem torcidas fiéis, como futebol. Quem nunca provocou o amigo após um clássico? Ou foi o provocado, dependendo da fase. Espírito competitivo é saudável caso promova respeito e união.

Tem uma cena (lamentável) que virou tema de conversas na internet e fora após o último clássico gaúcho Internacional x Grêmio, no Beira-Rio, em Porto Alegre: uma mãe e filho gremistas sendo agredidos por um pequeno grupo de torcedores colorados. O fato é até surpreendente, já que não envolve rixa de torcida organizada ou momentos tensos da partida, que inclusive foi 1 x 1. O que mais me incomodou foi a atitude impensada e covarde dos colorados sob a justificativa de que ali não era o lugar apropriado para a mãe e a criança por causa do setor em que estavam. Isso não dá razão em hostilizar outras pessoas, seja verbalmente ou fisicamente. Creio que a mãe tenha levado o menino para ter uma experiência agradável e divertida. Provavelmente eles assistam os jogos pela TV ou ouçam pelo rádio e queriam vivenciar isso ao vivo, sentir a energia. Mas infelizmente, eles se depararam com um tipo bem comum de torcedor: aquele que não sabe dialogar e ignora a importância do coletivo. O diferente é atacado e humilhado, mesmo que o futebol seja feito puramente disso.

Tanto se fala em atrair novamente as pessoas para os estádios, mas essa é uma questão além da elitização do futebol e outros aspectos complexos financeiros e sociais. Não é possível conquistar público diverso se não houver respeito, se um lugar que pode ser visto como festivo é enxergado como perigoso. E é claro que somente medidas repressivas que tentam coibir brigas de maneiras falhas não são capazes de melhorar e apaziguar. Essa mudança de mentalidade precisa ser incentivada constantemente pelos clubes, que não podem parar de promover ações contra qualquer tipo de discriminação e hostilidade. E fomentar esse tipo de cultura não é só dizer vagamente “paz no futebol” ou frases feitas com esse teor. É dar o exemplo por meio dos atletas e dirigentes, mostrar que o intolerável não pode ser aceito de maneira alguma. Estádio é lugar de todos, mas nesse jogo truculento, todos saem perdendo.

 

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Trending