Siga-nos nas Redes Sociais
Redação 140

Publicado

em

Antigas cartas de sua irmã Guida, há muito desaparecida, surpreendem Eurídice, uma senhora de 80 anos. No Rio de Janeiro dos anos 1950, Guida e Eurídice são cruelmente separadas, impedidas de viverem os sonhos que alimentaram juntas ainda adolescentes. Veja a história destas duas mulheres, duas irmãs, tentando lutar contra as forças sociais que insistem em frustrá-las. Invisíveis em uma sociedade paternalista e conservadora, elas se desdobram para seguir em frente.

O filme ganhou o prêmio principal da Mostra Um Certo Olhar, no Festival de Cannes de 2019. Em 27 de agosto de 2019, foi escolhido pela Academia Brasileira de Cinema entre doze longas brasileiros para representar o Brasil na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro na 92ª edição do prêmio.

O elenco conta com Carol Duarte, Julia Stockler, Gregório Duvivier, Bárbara Santos, Flávia Gusmão e Fernanda Montenegro.

Confira o teaser oficial de #AVidaInvisível, que chega amanhã aos cinemas.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.

Os artigos publicados em nome da Redação 140 são de responsabilidade dos responsáveis por este site de notícias. Entre em contato caso tenha alguma observação em relação às informações aqui contidas.

Continuar Lendo
Comentários

Cinema

Dolittle, com Robert Downey Jr, ganha o 1º trailer

Robert Downey Jr. está eletrizante como um dos personagens mais duradouros da literatura em uma vívida reimaginação do conto clássico do homem que consegue falar com animais: #Dolittle.

Redação 140

Publicado

em

Foto: Reprodução / Universal Pictures

Robert Downey Jr. está eletrizante como um dos personagens mais duradouros da literatura em uma vívida reimaginação do conto clássico do homem que consegue falar com animais: #Dolittle.

Depois de perder a esposa, sete anos antes, o excêntrico Dr. John Dolittle (Downey), famoso médico e veterinário na Inglaterra da Rainha Victoria, se isola atrás dos muros altos da sua mansão Dolittle, com a companhia apenas de sua coleção de animais exóticos. Mas quando a jovem rainha (Jessie Buckley, Wild Rose) fica gravemente doente, Dolittle relutantemente é forçado a partir em uma aventura épica para uma ilha mítica em busca de uma cura, recuperando suas habilidades e sua coragem enquanto cruza velhos oponentes e descobre criaturas maravilhosas.

O médico é acompanhado por um jovem aprendiz auto-nomeado (Harry Collett de Dunkirk) e um grupo barulhento de amigos animais, incluindo um gorila ansioso, uma pata entusiasmada e doidinha, uma dupla briguenta de um avestruz cínico e um otimista de urso polar e um papagaio teimoso, que é o conselheiro mais confiável de Dolittle.

Dirigido pelo vencedor do Oscar® Stephen Gaghan (Syriana, Traffic), Dolittle é produzido por Joe Roth e Jeff Kirschenbaum sob a Roth / Kirschenbaum Films e Susan Downey pela Team Downey . O filme é produzido por Robert Downey Jr., Sarah Bradshaw (A Múmia, Malévola) e Zachary Roth (Malévola: Dona do Mal).

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Cinema

Divaldo: filme espirita indicado até para quem é ateu

Esse filme vai dar uns bons tapas na sua cara, enquanto te distraí e te faz rir. Sério, são lições profundas, valiosas e necessárias.

Êrica Blanc

Publicado

em

Foto: Reprodução

Assisti essa semana ao filme “Divaldo: o mensageiro da paz”. Levemente atrasada, se considerarmos o fato de o filme ter lançado há quase um mês atrás. Mas, sendo sincera, ao contrário dos filmes do Chico Xavier ou, o mais recente, do Allan Kardec, eu nunca tinha ouvido falar do Divaldo. Mesmo sendo espírita. Mesmo ele sendo um médium atuante há 72 anos. Enfim, deixando minha ignorância sobre o assunto de lado, vamos falar sobre Divaldo e o filme que conta a sua história. A trama conta a história do médium desde quando ele era uma criança, época em que todos ao seu redor duvidavam das coisas que ele via, até a fase adulta, quando os ensinamentos já estavam bem absorvidos por ele. E todo o processo no meio dessas duas fases.

Divaldo: o mensageiro da paz

Divaldo desde muito cedo via e interagia com pessoas mortas. O que despertava muita raiva em seu pai. Inclusive, tinha dificuldade até para distinguir quem era vivo e quem já havia batido as botas. Aos 20 anos, se mudou para a capital da Bahia, disposto a ser preparado para servir ao espiritismo. Mas, como qualquer bom ansioso, precisou aprender a contralar suas vontades, com uma ajuda super especial de sua mentoral espiritual. Só que, se você é ateu e clicou nesse post só por que duvidou do que disse no título, aguenta aí que eu já vou te explicar o motivo. Para ser sincera, tudo isso você descobre com uma pesquisa simples no Google. Entretanto, eu precisava contextualizar a história antes de apontar os principais pontos que me fizeram amar esse filme do começo ao fim.

O primeiro ponto aqui é: esse filme vai dar uns bons tapas na sua cara, enquanto te distraí e te faz rir. Sério. São lições profundas, valiosas e necessárias. Mesmo que algumas sejam meio óbvias. Dá até vontade de reassistir com um caderninho e uma caneta, anotando frase por frase. Se você não acredita nessa coisa toda de contato com o outro plano, tudo bem. Ainda assim, o filme será uma diversão por duas horas seguidas. Ele é leve e bem engraçado. E, se você é do tipo que não acredita, mas morre de medo, garanto que vai se identificar com muitos personagens. Divaldo, como personagem principal dessa trama, não é um ser de luz que não possuí falha alguma.

O veredito

Pelo contrário. Divaldo leva umas boas broncas dos espirítos para aprender a ser sim, uma pessoa preparada a levar luz por onde for. Ele é carismático em todas as fases de sua vida, engraçado e humano, acima de tudo. Seus erros são comuns e passíveis de serem feitos por qualquer um de nós. O que faz com que a gente se sinta ainda mais perto dele durante o filme. Mas, sem dúvida alguma, para mim, o ponto alto é a forma como Deus é mencionado na trama. Quebra-se diversos esteriótipos tanto do espiritismo, quanto do próprio Deus que estamos acostumados a ouvir falar. Esse Deus que pune e deserda por qualquer pequena atitude considerada ruim, caí por terra quando os ensinamentos entram em cena. E não há preço que pague essa nova descrição do criador.

Talvez, mas só talvez, Divaldo seja a porta de entrada para um mundo menos preconceituoso com religiões espiritas e para um Deus de amor mais verdadeiro do que o que vem sendo pregado. Entretanto, reforço o que disse: se questões religiosas não são o seu forte, Divaldo ainda pode ser um passatempo com olhar histórico sobre uma personalidade importante de nosso país. Ao mesmo tempo que vai te fazer rir por horas, também te faz aproveitar o momento para relaxar e distrair. É um filme completo, que não deixa a desejar em momento algum. Sendo assim, o filme está, nada mais, nada menos, do que recomendadíssimo.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Trending