Siga-nos nas Redes Sociais

Tecnologia 9 MIN DE LEITURA

11 tendências tecnológicas para 2020

As novas soluções tecnológicas que moldarão as tendências na transformação digital em 2020 no mundo, segundo estudos da Forbes, Intel e especialistas da Deloitte.

Euriale Voidela

Publicado

em

Foto: stem.T4L / Unsplash

As tendências tecnológicas que mais se destacaram nos últimos anos incluíram, o desenvolvimento e implantação de sistemas omnichannel, implantação de soluções com inteligência artificial, pagamentos sem o uso de cartões, transmissores inteligentes de bitcoin, nova era de computadores quântico e blockchain.

Em 2020, segundo estudos da Forbes, Intel e especialistas da Deloitte, teremos somando 11 tendências de soluções tecnológicas que moldarão a transformação digital do próximo ano no mundo.

As soluções tecnologias desenvolvidas em 2019, continuarão amadurecendo nos próximos anos, com maior capilaridade mundial, segundo análise do Daniel Newman da Revista Forbes.

Em seu relatório, a Intel relata que a crescente necessidade de dados e velocidade, irão demandar computadores cada vez mais poderosos, que moldarão uma nova era de inovação. Teremos uma transição para a infraestrutura de nuvem híbrida e o conceito de sistemas de informações centrado nos clientes e pessoas que afetarão nosso modelo de vida e trabalho, além da introdução da tecnologia 5G no mundo.

Segundo especialistas da Deloitte, até 2020, a cooperação entre players e soluções individuais no mercado será fortalecida, levando a um aumento em sua escala de impacto e valor. As inovações, até agora consideradas apenas soluções do futuro, serão amplamente utilizadas e conhecidas pelas empresas no mundo.

1- Realidade Aumentada

A tecnologia de realidade aumentada, proporciona aos clientes visualizar, testar e conhecer com mais detalhes os produtos antes de comprá-los.

Segundo a Revista Forbes, tal tecnologia possuía uma barreira para a aplicação em larga escala, devido a necessidade de baixar um aplicativo especial. Sendo que esta experiência não é agradável para alguns consumidores, visto o número de soluções em aplicativos a ocupar a memória do dispositivo mobile.
Atualmente, estão sendo desenvolvidas tecnologias baseadas na nuvem de dados. Desta forma, os aplicativos dedicados não serão mais necessários, possibilitando maior disseminação e aplicação da tecnologia.

2- Inteligência Artificial

Em sua análise, Intel enfatiza que em 2020, a inteligência artificial se tornará cada vez mais difundida, sendo que automação baseada nos algoritmos de inteligência artificial será uma das tendências mais importantes para as empresas.

Salientam ainda que as empresas se esforçarão para automatizar o maior número possível de tarefas, para permitir que seus funcionários trabalhem em projetos mais estratégicos. A inteligência artificial não irá substituir completamente as pessoas das organizações, mas irá ajudá-las a trabalhar com mais eficiência, razão pela qual sua importância aumentará nos próximos anos. Tal aumento de eficiência, refletirá em redução de custos, além do aumento de receita esperada, de forma a equalizar o melhor resultado da cooperação do artificial com o humano.

Outro ponto importante, faz referência as análises de dados baseadas em inteligência artificial de forma mais avançada, que ajudarão as empresas a obter uma percepção mais profunda de seus consumidores e mercado.

De acordo com especialistas da Deloitte, mais de um terço dos 1,56 bilhões de smartphones que serão vendidos em 2020, ou seja, quase 520 milhões de dispositivos, serão equipados com chips de inteligência artificial.

Tais chips inteligentes, serão utilizados não somente na fabricação de smartphones, mas também em tablets, computadores, relógios, bandas, robôs de atendimento, câmeras, equipamentos na indústria e etc.

3- Compras fáceis e personalizadas

O consumidor está, a cada dia, buscando e esperando uma melhor experiência de compra e relacionamento com as marcas. O acesso às informações dos produtos com processo ágil e prático de entrega serão normas. Assim como, a comparação rápida de preços, propriedades do produto, além das recomendações de outros consumidores. Tudo isso, é simplesmente o básico.

O novo consumidor não deseja ficar recebendo uma avalanche de ofertas – ele deseja ver apenas produtos que possam lhe interessar. Ou seja, que estejam dentro do perfil dele.

Neste ponto, a análise da Revista Forbes, destaca a importância dos detalhes digitais e comportamento dos consumidores. As informações coletadas podem ser riquíssimas e os clientes deixam muitas informações valiosas on-line. O que estão procurando, suas preferências, quanto estão dispostos a pagar, quanto tempo podem esperar pela entrega, entre outros.

Desta forma, entendendo o padrão do consumidor, a jornada de compras dele e a sua persona, poderá ter a chance de alinhar os algoritmos de aprendizado, para personalizar uma oferta dirigida a pessoas individuais, personalizando as ofertas.

As coletas de dados dos consumidores poderão ser realizadas também por padrões nas mídias sociais e futuramente em sensores da internet das coisas, além da tendência de casas e cidades completamente inteligentes.

4- Clareza e Segurança de Dados

No próximo ano, temos a previsão de implantação da Lei de Proteção de Dados no Brasil e muita atenção será dada à transparência e segurança das informações, além de obrigar as empresas a examinar mais de perto os métodos de armazenamento, segurança e uso de dados.

Segundo o relatório da Intel, os consumidores estão cada vez mais conscientes de seus direitos de proteção de dados e procuram conscientemente produtos e serviços que garantam sua privacidade, ou seja, a necessidade de elo de confiança entre cliente e empresa aumentou. Eles confiam plenamente nas empresas ao depositarem seus dados em um processo de compra, seja um produto ou mesmo um serviço, e tal confiança não poderá ser quebrada.

5- Compras em redes sociais em um clique

O cliente digital busca uma experiência de compra tranquila e totalmente virtual. Tal fato, estimula o desenvolvimento de tecnologias como compras em redes sociais ou via pesquisa de imagens.

Segundo a Revista Forbes, em um futuro próximo, será muito simplificado e prático. Um consumidor ao olhar, por exemplo, para um produto recomendado por um influenciador na rede social, poderá clicar no item e receber imediatamente a oferta completa com a opção de comprar com um clique. O estudo relata ainda, o exemplo de um consumidor ao visualizar um item interessante em um pedestre na rua, onde ele tira uma foto e seu dispositivo que reconhece a marca e produto. Após, o mesmo é transferido para a plataforma de vendas do fabricante, onde recebe uma oferta personalizada com a possibilidade de compra e entrega rápida para o local onde está.

Desta forma, temos a utilização, além da inteligência artificial para reconhecimento da imagem, de todo um legado e sistemas integrados para receber tal pedido, processar o pagamento virtualmente e logística ágil de entrega no local em que o consumidor se encontra.

6- Transição para processamento de borda

A necessidade de aumento de processamento, atrelado a um forte aumento da quantidade de dados que serão gerados, demandará a necessidade de tal processamento ser movido para a periferia da rede. Segundo a tendência relatada pela Intel, enormes quantidades de dados da tecnologia da internet das coisas, contribuirão para a criação da rede principal de cidades inteligentes do futuro e de casas inteligentes também.

Desta forma, para minimizar os atrasos e prover com um processamento em tempo real, será necessário migrar a infraestrutura para próxima da geração. Ou seja, mover o processamento de dados para mais perto de onde ele foi criado.

O chamado, processamento de borda não apenas facilita a movimentação de dados e aplicativos para pessoas e dispositivos que precisam deles, mas também aumenta a confiabilidade e pode reduzir custos. O estudo de tendências Intel, informa que este momento já ocorreu em 2019 e irá ganha força para continuar em 2020.

7- Rede 5G privada

Segundo, o estudo de tendências Deloitte, até o final de 2020, mais de 100 empresas em todo o mundo, começarão a testar a rede 5G de forma privada. No total, centenas de milhões de dólares serão investidos em instalações dessa tecnologia e equipamentos necessários para a sua implantação.

Acreditamos que, em combinação com outras tecnologias, como, por exemplo, a Internet das Coisas, o 5G contribuirá para uma mudança fundamental no funcionamento das empresas em todo o mundo. No curto prazo, provavelmente coexistirá com as redes atualmente difundidas, como Wi-Fi e com fio. No entanto, na perspectiva de 10 a 15 anos, o 5G pode se tornar o padrão preferido em ambientes exigentes, onde a flexibilidade é crucial ou no caso de instalações com alta densidade de sensores.” – diz Jakub Wróbel, diretor do departamento de consultoria da Deloitte.

8- Misturando Real com Virtual na Web 3.0

A revista Forbes, destaca também, a tecnologias Web 3.0, mais frequentemente chamadas de web espacial que acelerarão o processo de mistura da realidade real e virtual. De forma, para exemplificar melhor, temos os provadores virtuais que estão se popularizando e facilitando a escolha da roupa, joias, penteado ou maquiagem dos consumidores que podem visualizar como tais produtos ficarão neles.

Tal tecnologia proporcionará uma nova forma de experiência ao consumidor. Vamos imaginar uma garota que planeja seu casamento e poderá não apenas experimentar centenas de vestidos de noiva, mas também verificar como eles ficarão dentro de inúmeras capelas, simular ensaios de fotos ou mesmo nos salões de festas. Ou seja, poderá visualizar virtualmente toda sua jornada e experiência de compra e produto, mas com ela inserida em tal cenário.

9- Implementação de tecnologia de transporte autônomo

Segundo o estudo da Intel, a visão de carros sem motorista ainda esteja longe de ser concretizada para todos, apesar de alguns já estarem em fase de testes na rua.

A tecnologia de veículos, aeronaves e navios autônomos está em constante evolução com sistemas de visão computacional e inteligentes que irão continuar a serem modernizados em 2020. As inovações autônomas não terminam apenas em meios de transportes, mas também estão desempenhando um papel, cada vez mais importante, na indústria e logística, onde encomendas estão sendo embaladas por robôs autônomos, além de diversas outras atividades nas fábricas.

10- Tecnologias que aceleram o processo de entrega

Os padrões de exigências dos consumidores estão cada dia mais elevados e a tolerância com os prazos de entrega, cada dia menores. Tais consumidores, inclusive estão dispostos a pagar por um frete maior, caso o tempo de entrega esteja dentro do esperado por ele.

Em seu relatório de tendência, a Revista Forbes, destaca o case da Amazon Prime, que mostra que os clientes estão cada vez menos propensos a esperar mais de dois dias pela entrega. Cada vez mais, eles escolhem a opção de entrega no mesmo dia, mesmo que isso envolva a necessidade de pagar quase 88% a mais do que o frete padrão nos EUA.

Em seu relatório, Intel destaca o crescimento do uso de drones guiados ou autônomos, para entregas rápidas, assim como a melhoria e maturidade de tal tecnologia em 2020.

11- Robótica – Robôs de Serviço:

Segundos os especialistas da Deloitte em seu estudo, preveem para o ano de 2020, que mais da metade dos robôs vendidos para uso industrial, terão o caráter de robôs de serviço profissional.

Os robôs de serviço estão se popularizando em diversos segmentos e a tendência é de aumentar ainda mais em 2020. Tais máquinas são programadas para realizar tarefas simples, do dia-a-dia, mas que otimizam e muito a produtividade. Deloitte, afirma ainda, um aumento de 30% de 2019 para 2020, na receita gerada a partir de sua produção que chegará a mais de US $ 16 bilhões.

Os autores do relatório afirmam também que: “embora em 2020 a venda de robôs especializados e de serviço exceda o número de robôs industriais comprados, a demanda por estes não diminuirá. Pelo contrário, as vendas unitárias projetadas de robôs industriais que operam principalmente nos mercados automotivo e eletrônico aumentarão 9%.”

Vale ressaltar, no entanto, que a rede da fábrica já oferece hoje aos robôs industriais conectividade rápida e confiável. Além disso, eles têm mais espaço para chips adicionais, e a conexão com fio facilita o acesso barato e eficiente a processadores remotos mais eficientes” – diz Sławomir Lubak da Deloitte.

A aplicação de tais robôs não se restringe apenas as fábricas. Eles poderão ser projetados para tarefas simples como aspirar, cortar a grama, limpar janelas em casa inteligentes, te lembrar de tomar um remédio, atender na recepção de um hotel e entre outras atividades. Ou mesmo atuarem no segmento de entretenimento, seja em brinquedos ou mesmo em shows e etc.

Como relatamos, todas as ações tecnológicas vivenciadas em 2019 irão continuar a evoluir sua maturidade, sendo complementadas pelas tendências relacionadas para 2020. Nos anos seguintes, observaremos uma complementação mútua dessas tecnologias e uma cooperação mais estreita entre participantes individuais no mercado, frente a transformação digital, devido ao grande leque de integrações que serão criadas.

A experiência do consumidor será fortemente impactada e fundamental que as marcas analisem não só a tecnologia, mas os processos internos para acompanharem tais mudanças e como tal tecnologia irá beneficiar seu cliente, gerando maior valor ao mesmo.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.

Euriale Voidela é consultora, palestrante e diretora de Clientes e Negócios, com 20 anos de atividade em Cultura Centralizada ao Cliente, Atendimento ao Consumidor e Especialista em Jornada Incríveis.

Continuar Lendo

Escreva um Comentário

Sistemas Operativos 1 MIN DE LEITURA

Ubuntu 20.04 LTS: Nova versão, novo tema

Com lançamento previsto para abril, o sistema operacional chega repleto de novidades.

Publicado

em

Foto: Divulgação / Canonical

Com lançamento previsto para abril, a Canonical e a equipe da comunidade Yaru começaram a trabalhar em um sucessor do tema Yaru para a nova versão de distribuição do Linux Ubuntu 20.04 LTS.

A equipe de design da Yaru esteve recentemente nos escritórios da Canonical em Londres para trabalhar no novo tema. Além das variações normais de luz e escuridão do tema, está sendo trabalhada uma terceira versão que utilizará cores claras. Os desenvolvedores também estão trabalhando para facilitar a alternância entre essas variantes de tema / cor.

É possível que as alterações mais importantes – como os ícones de pastas experimentais – possam ser adiadas para o final do ano, em outubro, com a chegada da versão do Ubuntu 20.10. Espero que você tenha gostado do trabalho da Canonical no Ubuntu 20.04.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Tecnologia 2 MIN DE LEITURA

Será mesmo que internet é coisa de jovem?

Segundo uma pesquisa do Kantar – Consumer Insights, 90% dos idosos possuem celulares e 45% acessam a internet.

Publicado

em

foto: Pixabay

Não há como negar o crescimento da população Sênior no Brasil. Com a diminuição da taxa de natalidade, a população Brasileira vem envelhecendo cada vez mais, além disso por causa dos avanços da tecnologia, a medicina colabora para que a expectativa de vida aumente. Hoje o número de idosos que possuem mais 60 anos, ultrapassa os 29 milhões de pessoas e segundo o IBGE estima que até 2060 o número de idosos cresça para 73 milhões de idosos. Isso significa um aumento de 160%. Um número expressivo que aumenta cada vez mais ano a ano.

A medida em que a população envelhece, aumenta o interesse em relação ao assunto. Segundo o Google, as buscas em relação ao termo envelhecimento cresceram mais de 60% em relação a 2015 e em 2018 foram feitas buscas referente ao assunto a cada 2 minutos. No entanto, segundo o próprio IBGE diz que ¼ dos brasileiros acima de 60 anos já estão conectados à internet. Esse número tende a crescer cada vez mais!

Com isso é preciso acabar com o preconceito e estereótipos em que a internet é “coisa de jovem” e que a população sênior não possui interesse no âmbito digital. Segundo uma pesquisa do Kantar – Consumer Insights, 90% dos idosos possuem celulares e 45% acessam a internet. Além disso 28% dos que possuem mais de 60 anos já realizaram compras pela internet. Diferente do que o senso comum, o universo digital diminui as barreiras e facilitam para uma melhor vivência, pois segundo o Google, em 2018, foram mais de 120 mil buscas pelo site Coroa metade – especializado em relacionamentos entre pessoas maduras. Isso mostra o quão os mesmos estão ligados a internet.

Dessa forma, tanto os profissionais de marketing como os profissionais de comunicação precisam deixar o estereótipo de lado e começar a pensar em alguma forma de incluir esse nicho em seu planejamento, pois as marcas precisam de comunicar para que os idosos possam se identificar com a mensagem que está sendo transmitida. É necessário fazer parte da rotina desse público-alvo, em que o principal objetivo das marcas é fazer a diferença na vida dos idosos, visto que segundo o mercado do consumidor, apenas 5% tem identificação com o segmento de vestuários. Quantas marcas estão perdendo oportunidade de negócio em relação a esse a esse grupo?

O público sênior além de ser o que mais cresce, também é o que mais se diversifica e consequentemente estarão mais conectadas e por dentro do que acontece no meio digital. O envelhecimento é inevitável e está cada vez mais próximo da nossa realidade e isso está acontecendo de uma forma que nunca foi imaginado, então cabe as empresas, marcas e agencias o papel de entender quais são suas necessidades, criar empatia e construir um diálogo sólido e fazer parte da vida deles de forma significativa.

*O Jornal 140 não se responsabiliza pela opinião dos autores deste coletivo.
Continuar Lendo

Trending

  • Registrar
ou entre com
Lost your password? Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.